Exclusivo: os documentos da Odebrecht que o Itamaraty quis esconder

(Época – 16.jun.2015/Filipe Coutinho)

Por cinco anos, Itamaraty manteve sob sigilo um conjunto de documentos com cerca de duas mil páginas que citam a Odebrecht, em telegramas produzidos durante o governo Lula.

Na semana passada, O Globo revelou que uma manobra do Itamaraty para colocar sob segredo por até 10 anos essa documentação, solicitada por ÉPOCA. Esses telegramas foram classificados inicialmente como reservados (sigilo de cinco anos) e, em razão do prazo, já deveriam ser públicos. Mas o diplomata João Pedro Costa, Diretor do Departamento de Comunicações e Documentação, sugeriu então colocar o arquivo como secreto (sigilo de 15 anos), em razão de ÉPOCA já ter feito reportagem sobre as ligações de Lula com a empreiteira. O Itamaraty decidiu então liberar os documentos após a revelação da manobra.
ÉPOCA agora divulga os documentos, que têm cerca de duas mil páginas.

Itamaraty propõe burlar lei para proteger Lula

Reprodução de memorando do Itamaraty(O Globo – 12.jun.2015/Catarina Alencastro e Francisco Leali)

O Ministério das Relações Exteriores deflagrou ação para evitar que documentos que envolvam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com a Odebrecht, empreiteira investigada na Operação Lava-Jato, venham a público. A ordem interna partiu do diretor do Departamento de Comunicações e Documentação (DCD) do Itamaraty, ministro João Pedro Corrêa Costa, depois que o órgão que ele dirige recebeu um pedido de informações de um jornalista baseado na Lei de Acesso à Informação. O GLOBO obteve um memorando que ele disparou, na última terça-feira, sugerindo a colegas do Itamaraty que tornassem sigilosos documentos “reservados” do ministério que citam a Odebrecht entre 2003 e 2010, que, pela lei, já deveriam estar disponíveis para consulta pública.

Itamaraty anuncia que liberará documentos sobre Odebrecht e Lula

Reprodução de memorando do Itamaraty(Época- 12.jun.2015)

O Itamaraty divulgou, no início da noite desta sexta-feira (12) que foi aprovada a liberação dos documentos solicitados por ÉPOCA relacionados à construtora Odebrecht.

A decisão do Itamaraty foi anunciada após reportagem do jornal O Globo revelar que João Pedro Corrêa Costa, diretor do Departamento de Comunicações e Documentação (DCD) do ministério, tentou interferir no pedido de informações, baseado na Lei de Acesso à Informação.