Produção de cigarro com sabor avança 1.900%

Fonte: O Estado de S.Paulo (21.06.2017) | Autoria: Clarissa Thomé

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem na pauta a discussão sobre se a indústria do cigarro poderá continuar a incluir sabores nos produtos que vende. Resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de 2012 proibiu a inclusão de aditivos no cigarro e deu prazo de 18 meses para que as empresas se adaptassem.

Mas a medida nunca chegou a vigorar. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) questiona a constitucionalidade da resolução, suspensa por liminar em 2013.

Relatório da ONG ACT Proteção à Saúde mostra que houve aumento de 1.900% nos registros de cigarro com sabores feitos pela indústria à Anvisa, entre 2012 e 2016 – de 4 para 80. Os dados foram obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação.

[Leia a reportagem completa no Estadão]